Pesquisa personalizada

Falando sobre Depressão

Falando sobre Depressão

Sentir-se triste a maior parte do dia, quase todos os dias.
Não ter tanto prazer ou interesse pelas atividades que antes apreciava.
Não conseguir ficar parado e pelo contrário movimentar-se mais lentamente que o habitual.
Constantes sentimentos de desesperança, desprezando-se como pessoa e até mesmo se culpando pela doença ou pelo problema dos outros, sentindo-se um peso morto na família.
Em casos mais graves surgem pensamentos de suicídio.
Podemos dizer que o pessoa está deprimida se esse quadro persistir por pelo menos duas semanas.



Sintomas da Depressão

Ansiedade
Afastamento de amigos ou pessoas; vontade de ficar só.
Sente-se triste e abatida.
Cansaço e perda de energia.
Falta de vontade de realizar uma determinada tarefa.
Vontade de chorar ou chora às escondidas.
Tem maus resultados escolares, devido à falta de concentração.
Sentimento de tristeza persistente.
Perda da auto-confiança e da auto-estima.
Sem motivação, não consegue encontrar nada que lhe dê alegria.
Dificuldade na concentração e na tomar de decisões.
Sentimentos de culpa, desesperança, desamparo, solidão, ansiedade ou inutilidade.
Alterações no sono; dificuldades em adormecer, acordar muito mais cedo do que o habitual/dormir em excesso ou pesadelos.
Insegurança em tudo que for fazer, pelo medo do que possa acontecer se falhar.
Perda de apetite com diminuição do peso/compulsão alimentar.
Perda do desejo sexual.
Pensamentos de suicídio e morte.
Inquietação e irritabilidade.
Auto-agressão.
Mudanças na percepção do tempo.
Acessos de choro.
Desatenção à própria higiene.
Medo ou sensação de ser ou estar sendo abandonado.
Não dá atenção à própria aparência, deixando de se cuidar.



Causas da Depressão

A causa exata da depressão ainda continua desconhecida, mas sabe-se que a depressão é associada a um desequilíbrio em certas substâncias químicas no cérebro, um desequilíbrio bioquímico dos neurônios resposáveis pelo controle do estado de humor. Os antidepressivos comprovam esta afirmação. Medicamentos antidepressivos têm por função principal agir no restabelecimento dos níveis normais destas substâncias, principalmente a serotonina.

Os eventos estressantes provavelmente disparam a depressão nas pessoas predispostas e mais vulneráveis.Exemplos de eventos estressantes:

. Perda de pessoa querida

. Perda de emprego

. Mudança de casa contra a vontade

. Doença grave

O que torna as pessoas vulneráveis ainda é objeto de estudos. A influência genética como em toda medicina é muito estudada. Trabalhos recentes mostram que mais do que a influência genética, o ambiente durante a infância pode predispor mais as pessoas.

Alterações nos níveis de neurotransmissores (principalmente serotonina, acetilcolina, dopamina, epinefrina e norepinefrina) relacionam-se à suscetibilidade para depressão.

Alguns hormônios também podem ter um papel importante – ainda que isto não esteja muito claro. Ainda, atrofias em certas áreas do cérebro (particularmente no lobo pré-frontal) responsáveis pelo controle das emoções e produção de serotonina são responsáveis por distúrbios depressivos importantes.



Tratamento

A maioria das pessoas que possuem um quadro clínico depressivo não conhece ou não procura ajuda médica especializada apesar da grande possibilidade de tratamento efetivo. O tratamento geralmente envolve uma medicação antidepressiva receitada por pelo menos 12 meses para evitar recaídas e algumas vezes acompanhada de psicoterapia.

Sabe-se também que praticar exercícios regularmente e participar de atividades desportivas e sociais pode ajudar o paciente a superar os sintomas da depressão.

São exemplos de tratamentos comuns para a depressão:

Medicação
Psicoterapia comportamental
Eletroconvulsoterapia
Estimulacao Magnetica Transcraniana
Suplementos alimentares
Atividades físicas


Não se isole! Se necessitar de ajuda, consulte um profissional de saúde!


fonte:
Wikipédia,Psicosite